Carta ao Conpresp

Atualizado: 19 de Jun de 2018

Ao Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo – Conpresp


Ilmo. Sr. Cyro Laurenza

Presidente do Conpresp

São Paulo, 7 de maio de 2018


Prezados(as) senhores(as),


Estivemos, há pouco tempo, neste Conselho testemunhando o tombamento de um importante número de obras representativas da arquitetura moderna paulista, o que foi considerado como um avanço para o reconhecimento público do valor desse importante patrimônio da cultura material da cidade.

Hoje, no entanto, vimos a lamentar profundamente as perdas e mortes desnecessárias e injustificadas no desabamento do edifício Wilton Paes de Almeida. Vimos a lamentar, também, a perda desse ícone da arquitetura moderna paulista, importante obra do arquiteto Roger Zmekhol (1928-1976), tombado pelo Conpresp em 1992.

O edifício foi construído entre 1961 e 1966 seguindo de forma inspirada os preceitos do movimento moderno. Foi uma obra contemporânea de arranha-céus como o Chicago Federal Center (1960-1974) de Mies van der Rohe e de outros importantes edifícios erguidos em Chicago e Nova York, que hoje são considerados patrimônios arquitetônicos dessas cidades. No entanto, o edifício Wilton Paes de Almeida não pode ser considerado uma mera repetição daquelas importantes obras modernas construídas na América do Norte. Pelo contrário, representava perfeitamente as condicionantes construtivas e a situação da indústria da construção do Brasil à época. O edifício não usava estrutura metálica, como seus contemporâneos norte-americanos, mas uma estrutura de concreto armado com parrudas colunas recuadas da fachada que deixavam em balanço lajes de mais de dois metros, que se afinavam até a borda, proporcionando ao corpo do edifício a especial leveza que as fotografias de época testemunham. As lajes nervuradas também racionalizavam a estrutura, reduzindo o número de colunas para quatro, cujo trabalho solidário com o robusto núcleo de circulação vertical, onde os serviços encontravam-se instalados, deixavam a planta livre. O invólucro do edifício, o curtain-wall, era arrojado e elegantemente modulado, usando montantes de alumínio e vidros transparentes, levemente esverdeados. A esbelteza da caixilharia foi pensada de modo a valorizar a superfície envidraçada como elemento principal da fachada, ressaltando o caráter de um prisma puro de cristal. Um prodígio pioneiro da engenharia e da arquitetura moderna paulista de então.

Esse marco da arquitetura moderna ruiu na madrugada do 1º de maio, afetando ainda outros importantes edifícios de seu entorno. Provavelmente, o colapso do edifício está ligado a todas as caraterísticas acima referidas, uma vez que, com o abandono do edifício por parte da União, todos os sistemas de segurança, que normalmente acompanham essa tipologia (o arranha-céu de escritórios), deixaram de funcionar. Devemos lamentar, evidentemente, a perda de vidas humanas, que enluta a cidade de São Paulo, mas não devemos esquecer o edifício, pois ele é parte da memória social, cultural e técnica de nossa cidade. Sua perda também nos enluta.

Trata-se de uma tragédia urbana anunciada, que combina: falta de políticas públicas sociais efetivas, descaso para com a situação daqueles que não possuem moradia, inexistência de políticas de ação de proteção dos bens culturais após o seu tombamento. A degradação do edifício alastrou-se por anos, evidenciando a negligência e o desperdício provocado pela ociosidade de equipamentos altamente qualificados localizados na região central.

É papel do Docomomo, entre outros agentes da sociedade civil, em sua missão específica de velar pelo patrimônio do movimento moderno, solicitar das autoridades o esclarecimento urgente das responsabilidades e a tomada de providências cabíveis para um caso, ou um descaso, tão grave como o que acaba de causar enorme comoção em nossa cidade: o desabamento de um ícone tombado da arquitetura moderna paulista que causou a destruição do local onde moravam famílias em situação precária e o falecimento de pelo menos um cidadão.

O Núcleo Docomomo São Paulo gostaria de manifestar, finalmente, que se propõe a contribuir, com a expertise de seus membros, para a construção de políticas públicas que conduzam à adequação de edifícios modernos abandonados ou desativados, ocupados ou não, para novos fins (em especial dos edifícios de escritório no centro de São Paulo), elaborando critérios para a definição dos usos e das intervenções necessária para sua readequação. A trágica experiência do Wilton Paes de Almeida deve resultar em conhecimentos que impeçam a repetição de situações similares no futuro e o Docomomo está disposto a colaborar nessa direção.


Núcleo Docomomo São Paulo


Edifício Wilton Paes de Almeida, Roger Zmekhol. Foto Fernando Vázquez

Ata da 670ª Reunião Ordinária do Conpresp








147 visualizações

NÚCLEO DOCOMOMO SÃO PAULO

Universidade São Judas Tadeu

Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Rua Taquari, 546 - Mooca | São Paulo - SP | CEP 03166-000

www.nucleodocomomosp.com.br | nucleo.docomomo.sp@gmail.com

REDES SOCIAIS

  • Instagram
  • Facebook
  • Google +

RECEBA OS DOCOMEMOS

© 2019 by Núcleo Docomomo SP

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now