OFICINAS 

14/11/2020 (sábado): 09h00-12h00: “Reconhecimento de patrimônio moderno na cidade de Araraquara”.

Público esperado: alunos de graduação e de pós-graduação em arquitetura e urbanismo, e público em geral com interesse na arquitetura moderna.

Objetivo: Desenvolver habilidades e competências para identificar obras de arquitetura do movimento moderno, e obras que representam particularidades de seus desdobramentos no interior do estado de São Paulo e que justifiquem uma linguagem e representação para além da arquitetura hegemônica que figura nos grandes centros urbanos e nas cidades capitais. De modo a levantar, registrar e mapear algumas das obras consideradas como parte de uma produção arquitetônica moderna no Brasil. Os objetos de análise serão edifícios Institucionais, Industriais, de Serviços ou Comerciais, e Habitacionais, com diferentes escalas, usos e tipologias, constituindo-se em edifícios horizontais e verticais, tais como, hospitais, agências bancárias, clubes, igrejas, hotéis, edifícios industriais, etc.

ARARAQUARA

Metodologia: Contextualização sobre a cidade de Araraquara (preparação de mapas e dados sobre o território do levantamento); exposição de critérios de identificação (formal, material, espacial etc.); apresentação da ficha de identificação (ficha simplificada montada pelos organizadores com a finalidade de introduzir o tema a alunos e interessados não especializados) e da ferramenta e plataforma para a realização de um mapeamento colaborativo; definição de grupos de levantamento (sugestão até 5 pessoas por grupo, com um monitor que acompanhará o grupo no levantamento); visita a campo (presencial ou virtual) para identificação do obras modernas na cidade; preenchimento da ficha (se possível no local); caso seja possível, complementação de dados sobre as obras encontradas em fontes documentais e revisão do material pelos monitores e organizadores da oficina.

Produto esperado: um dossiê com um conjunto de fichas e a construção de um mapa colaborativo georreferenciado com informações padronizadas sobre obras modernas encontradas no território explorado. A comissão organizadora do evento publicará, dentro do sítio do Núcleo Docomomo São Paulo, o material coletado. 

Local (território): Araraquara, SP.

Requisitos: Computador com acesso à internet, Google Earth, Google Maps, PowerPoint

Número de participantes: 25

Organização: Cristiane Kröhling Pinheiro Borges Bernardi, Maisa Fonseca de Almeida, Sálua Kairuz Manoel Poleto. Monitores (estudantes de graduação): Danieli Cristina Fernandes Cardoso, Eduardo Morelli Monteiro, Geórgia Mascioli Haddad, Lamís Martins Braga Gibran Malkomes, Vinícius Galbieri Severino.

PRESIDENTE PRUDENTE

14/11/2020 (sábado):09h00-12h00:

“Deriva pelo patrimônio arquitetônico moderno da cidade de Presidente Prudente: identificação e reconhecimento”

Público esperado: alunos de graduação e de pós-graduação em arquitetura e urbanismo, público em geral, com interesse na arquitetura moderna paulista.

Objetivo: Desenvolver procedimentos metodológicos de apreensão do Patrimônio Arquitetônico Moderno de identificação e reconhecimento visando sua valorização e preservação. A área da deriva será a cidade de Presidente Prudente.

Metodologia: descrição do território da pesquisa (preparação de mapas e dados sobre o território do levantamento); powerpoint com uma apresentação de critérios de identificação (formal, material, espacial

Local (território): Presidente Prudente

Organização: Hélio Hirao, André A. Alves, Cristina M. P. Baron, Alfredo N. Zaia, Tais Alvino da Silva e Renan Rubio Koga.

Requisitos: Computador com acesso à internet, Google Earth, Google Maps, PowerPoint,

Número de participantes: 25.

etc.); apresentação da ficha de identificação (ficha simplificada montada pelos organizadores com a finalidade de introduzir o tema à alunos e interessados não especializados); definição de grupos de levantamento (sugestão até 5 pessoas por grupo, mais um monitor que acompanhará o grupo no levantamento); visita a campo (presencial ou virtual) para identificação do obras modernas no território; preenchimento da ficha no local; caso seja possível, complementação de dados sobre as obras encontradas em fontes documentais.

 

Produto esperado: dossiê com um conjunto de fichas e mapas sobre obras modernas encontradas no território explorado. A organização do evento publicará, dentro do sítio do Núcleo Docomomo São Paulo, o material coletado. 

RIBEIRÃO 

14/11/2020 (sábado): 09h00-12h00:

"A produção arquitetônica moderna em Ribeirão Preto: entre documentos e paisagens"

 

Público esperado: alunos de graduação e de pós-graduação em arquitetura e urbanismo, e público em geral com interesse na arquitetura moderna.

Objetivo: Desenvolver habilidades e competências para identificar obras de arquitetura do movimento moderno remanescentes no recorte da paisagem estudada, com variadas tipologias. Discutir a produção moderna na cidade no contexto de formação de novos bairros e de transformação de paisagens urbanas já consolidadas. Sistematizar as informações coletadas em mapa colaborativo (Open Street Map ou semelhante). Identificar elementos da produção moderna local, nela reconhecendo aspectos análogos e particulares em relação à arquitetura moderna hegemônica que comparece na bibliografia e que se refere, em grande maioria, a obras e arquitetos atuantes nos grandes centros urbanos, especialmente nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro; 

 

Metodologia: Contextualização sobre o processo de formação e transformação da cidade a partir do núcleo original urbano (Quadrilátero Central); reflexão crítica sobre a representatividade (ou ausência) das edificações modernas na composição do quadro de bens representativos do patrimônio cultural do município; apresentação de alguns exemplares modernos localizados no Quadrilátero Central; apresentação dos critérios de identificação da produção moderna (elementos compositivos, materiais e técnicas construtivas, sistemas estruturais, soluções volumétricas, relação com o lote, etc); apresentação dos bairros a serem estudados no âmbito da oficina; definição dos roteiros das visitas de campo; visitas de campo (presencial ou virtual - Google Street View); cadastramento dos exemplares levantados nas visitas de campo em Open Street Map (quando possível, vinculando ao mapa a documentação cedida por pesquisadores e interessados em colaborar com o projeto). 

Produto esperado: mapa colaborativo georreferenciado com informações levantadas sobre a produção moderna nos bairros de Ribeirão Preto selecionados para estudo. A partir desse levantamento, poderão ser elaboradas fichas de cadastramento das obras. A comissão organizadora do evento publicará, dentro do sítio do Núcleo Docomomo São Paulo, o material coleta

PRETO 

Local: Escala do território: Cidade de Ribeirão Preto; Escala dos bairros: Quadrilátero Central, Sumaré, Alto da Boa Vista e Jardim Recreio.

Requisitos: Computador com acesso à internet, Google Earth, Google Maps, Open Street Map e PowerPoint.

Número de participantes: 25

 

Organização: Ana Teresa Cirigliano Villela; Fernando Gobbo Ferreira; Larissa França; Maísa Fonseca de Almeida; Tatiana de Souza Gaspar; Valéria Eugênia Garcia; Rita de Cássia Fantini de Lima.

 

14/11/2020 (sábado): 09h00-12h00:

“Reconhecimento de patrimônio moderno na cidade de São Paulo”.

Público esperado: alunos de graduação e de pós-graduação em arquitetura e urbanismo, público em geral, com interesse na arquitetura moderna paulista.

Objetivo: Desenvolver habilidades e competências para Identificar obras de arquitetura do movimento moderno e seus desdobramentos de vocabulário local, talvez menos eruditos, mas que representam os anseios da arquitetura moderna nas construções correntes da região na qual se realiza a pesquisa. As tipologias pesquisadas poderão ser as mais variadas, não só edifícios em altura ou residências, mas edifícios públicos (de diferentes escalas e usos), agências bancárias, clubes, igrejas, hotéis, edifícios industriais etc.

SÃO PAULO

Metodologia: descrição do território da pesquisa (preparação de mapas e dados sobre o território do levantamento); powerpoint com uma apresentação de critérios de identificação (formal, material, espacial etc.); apresentação da ficha de identificação (ficha simplificada montada pelos organizadores com a finalidade de introduzir o tema à alunos e interessados não especializados); definição de grupos de levantamento (sugestão até 5 pessoas por grupo, mais um monitor que acompanhará o grupo no levantamento); visita a campo (presencial ou virtual) para identificação do obras modernas no território; preenchimento da ficha no local; caso seja possível, complementação de dados sobre as obras encontradas em fontes documentais.

Produto esperado: dossiê com um conjunto de fichas e mapas sobre obras modernas encontradas no território explorado. A organização do evento publicará, dentro do sítio do Núcleo Docomomo São Paulo, o material coletado. 

Local (território): Ruas do bairro de Higienópolis).

Requisitos: Computador com acesso à internet, Google Earth, Google Maps, PowerPoint

Número de participantes: 25

Organização: Fernando Vázquez, Mirthes Baffi, Ana C Buim, Cristina Melo, Regina Gomes, Franklin Ferreira, Carlos Campoy.

SÃO PAULO

14/11/2020 (sábado): 14h00-17h00:

“Mapeamento e percepção do patrimônio moderno na cidade de São Paulo, tombado, desde 2017-18, pelo Conselho Municipal de Preservação (Conpresp).”

Público esperado: alunos de graduação e de pós-graduação em arquitetura e urbanismo, público em geral, com interesse na arquitetura moderna paulista.

Objetivo: Mapear os bens culturais modernos na cidade de São Paulo, tombados, desde 2017-18, pelo Conpresp e registrar a percepção que deles temos, atualmente, buscando compreender a sua localização, inserção no tecido urbano, visibilidade e destaque na paisagem, bem como seu estado de conservação, quando for possível essa identificação, a partir de visita ao local e/ou ferramentas digitais como o Google Earth e/ou o Google Maps.

 

Metodologia: apresentação por parte dos Organizadores sobre a metodologia da Oficina e a relação de bens culturais modernos tombados pelo Conpresp, desde 2017-18, na cidade de São Paulo;  apresentação da ficha de trabalho consistente em Formulário Google; distribuição de bens culturais pelos integrantes da Oficina; visita a campo, presencial ou virtual - utilizando ferramentas digitais como o Google Earth e/ou o Google Maps; preenchimento das fichas; volta ao ambiente da Oficina para discussão sobre os resultados encontrados.

Produto esperado: mapeamento e fichas do Formulário Google com a situação, no espaço urbano, dos bens culturais modernos tombados pelo Conpresp, desde 2017-18, na cidade de São Paulo, material que será disponibilizado no site do Docomomo. 

14/11/2020 (sábado): 09h00-12h00:

“Memória da população negra: possibilidades para repensar as práticas de registro e conservação do patrimônio moderno. Roteiro Linha preta”. 

Público esperado: alunos de graduação e de pós-graduação em arquitetura e urbanismo, história, antropologia, sociologia, público em geral, com interesse na arquitetura moderna paulista e na sua articulação com os temas da memória urbana mobilizados em suas dimensões epistemológicas.

Objetivo: alimentar uma base cartográfica colaborativa simultaneamente à mobilização de um debate sobre a relação entre a conceituação do patrimônio cultural moderno, as práticas de conservação e o apagamento da produção da cidade por negros e negras, frutos do racismo epistêmico.

SÃO PAULO

Metodologia: priorizar as conexões entre o bem arquitetônico e sua inserção no contexto urbano, de forma a debater e explorar as noções de patrimônio ambiental; criar camadas de informação que representem não apenas a condição de origem do bem cultural, mas a sua trajetória no tempo, de modo a documentar as ações (e registros) de diferentes sujeitos sociais envolvidos direta ou indiretamente com os bens mapeados que interfiram na sua condição de conservação (ausência de manutenção, abandono, mudanças de uso, apagamentos, etc.); favorecer o desenvolvimento de ações e estratégias conjuntas de enfrentamento ao racismo epistêmico por meio de práticas do patrimônio cultural.

Produtos esperados: registro e mapeamento dos percursos marcados pelo binômio presença/ ausência, pela resiliência do povo negro identificado aqui por meio de um roteiro denominado “Linha Preta”, que coloque em evidência o registro da presença dessa população que atravessa os séculos nos Bairro do Bixiga, Liberdade e Jabaquara.

Locais: Áreas de interesse previamente selecionadas: Liberdade, Jabaquara e Bixiga. O denominado Eixo Liberdade-Vergueiro tombado na Resolução 36/CONPRESP/2018, em atenção aos “caminhos históricos da cidade de São Paulo, seu traçado e geografia, como testemunhos do processo de urbanização da cidade e da sua paisagem cultural”, sugere para esta oficina uma imersão nessas áreas em busca dos fatos urbanos que coabitam com o patrimônio moderno, considerados ou não pela historiografia da arquitetura. Nesse sentido, expandir os estudos até o Jabaquara, busca compreender as permanências que residem no chamado “caminho de Santo Amaro e Borda do Campo”, atendo-se às marcas deixadas pelas rotas de fuga utilizadas por pessoas escravizadas em São Paulo, que se refugiaram no Quilombo do Jabaquara da cidade de Santos, liderado por Quintino de Lacerda. 

Requisitos: Computador com acesso à internet, Software QGIS instalado, webcam, Google Earth, Google Maps, PowerPoint.

Número de participantes: 25

Organização: Eneida de Almeida, Gislaine Moura do Nascimento, Maria Carolina Maziviero, Maria Isabel Imbronito.

Local (território): vários bairros da cidade de São Paulo.

Requisitos: Computador com acesso à internet, Google Earth, Google Maps, PowerPoint.

Organização: Andréa Tourinho, Daniel Carcavalli, Diego Pinheiro, Jéssica Nemeti, Walter Pires.

14/11/2020 (sábado): 09h00-12h00: “Reconhecimento de linguagens e repertórios modernos na cidade de São Carlos”.

Público esperado: alunos de graduação e de pós-graduação em arquitetura e urbanismo, público em geral, com interesse sobre a arquitetura moderna em São Carlos.

Objetivo: Desenvolver habilidades e competências para identificar obras de arquitetura do movimento moderno e seus desdobramentos no vocabulário local, contribuindo para o levantamento e reconhecimento do repertório moderno em eixos urbanos selecionados para a pesquisa. As tipologias pesquisadas poderão ser as mais variadas, incluindo edifícios em altura, residências, edifícios institucionais etc.

SÃO CARLOS

Metodologia: Apresentação prévia de mapa com alguns edifícios modernos na cidade e os eixos urbanos selecionados para a pesquisa (preparação de mapas e dados sobre o território do levantamento); exposição dos critérios de identificação (formal, material, espacial etc.); apresentação da ficha de identificação (ficha simplificada montada pelos organizadores com a finalidade de introduzir o tema aos participantes); definição de grupos de levantamento (sugestão entre  3 e 5 pessoas por grupo, mais um monitor que acompanhará o grupo no levantamento); visita a campo (presencial ou virtual) para identificação das obras modernas e elementos referentes da arquitetura moderna; preenchimento da ficha; caso seja possível, complementação de dados sobre as obras encontradas em fontes documentais.

Produto esperado: dossiê com um conjunto de fichas e um mapa colaborativo georreferenciado sobre obras modernas encontradas no território explorado. A organização do evento publicará, dentro do sítio do Núcleo Docomomo São Paulo, o material coletado.

Local (território): São Carlos, SP

Requisitos: Computador com acesso à internet, Google Earth, Google Maps, PowerPoint

Número de participantes: 25

Organização: Adriana Leal de Almeida, Amanda Saba Ruggiero, Cristiane Kröhling Pinheiro Borges Bernardi.

Monitores: Caroline Niitsu de Lima; Debora Aline Coelho; Flávia Cavicchioli Monteiro; Gabriela Peron; Marcos Pedrino Gonçalves; Rachel Bergantin.

SOROCABA

14/11/2020 (sábado): 09h00-12h00:

“Roteiro de reconhecimento e distinção do patrimônio arquitetônico moderno da cidade de Sorocaba”

Público esperado: alunos de graduação e de pós-graduação em arquitetura e urbanismo, público em geral, com interesse na arquitetura moderna paulista.

Objetivo: desenvolver procedimentos metodológicos de reconhecimento e distinção de correntes de filiação do Patrimônio Arquitetônico Moderno, visando sua valorização e preservação. As áreas de pesquisa serão os bairros da cidade de Sorocaba.

Metodologia: definição de recorte geográfico através da definição dos bairros com maior incidência de itens exemplares; descrição do território da pesquisa através da elaboração de mapa-roteiro e dados sobre os bairros investigados; apresentação de critérios de

Local (território): Bairros da cidade de Sorocaba – (Centro, Vergueiro, Santa Rosália, Trujillo, Santa Terezinha e Zonas de Expansão)

Requisitos: Computador com acesso à internet, Google Earth, Google Maps, PowerPoint.

Número de participantes: 25.

Organização: Taiana Car Vidotto, João L. Bengla Mestre, Giovani Gomes, Gustavo César Dias, Vitória Amorim.

identificação e distinção entre as correntes de aproximação formal (Protomoderno / Escola Carioca / Escola Paulista); apresentação da ficha de identificação (ficha simplificada montada pelos organizadores com a finalidade de introduzir o tema à alunos e interessados não especializados); definição de grupos de levantamento (sugestão até 5 pessoas por grupo, mais um monitor que acompanhará o grupo no levantamento); visita a campo (virtual, visando a possibilidade de "deslocamento” imediato entre os diversos bairros) para identificação do obras modernas no território; preenchimento da ficha no local; caso seja possível, complementação de dados sobre as obras encontradas em fontes documentais.

Produto esperado: dossiê com um conjunto de fichas, “prints” das fachadas e mapas sobre obras modernas encontradas nos territórios explorados. A organização do evento publicará, dentro do sítio do Núcleo Docomomo São Paulo, o material coletado. 

14/11/2020 (sábado): 09h00-12h00:

“Reconhecimento do patrimônio moderno do Ipesp no estado de São Paulo.”

Público esperado: alunos de graduação e de pós-graduação em arquitetura e urbanismo, público em geral, com interesse na arquitetura moderna paulista.

Objetivo: Identificar, caracterizar e reconhecer a arquitetura moderna promovida pelo Ipesp no âmbito do Plano de Ação (1959 – 1963), por meio de exemplares situados em municípios de residência dos participantes da oficina, com vistas à sua preservação. 

SÃO PAULO

Metodologia: A oficina busca dialogar com as demais a serem realizadas durante o 7° Seminário Docomomo São Paulo, ao efetuar uma leitura transversal da arquitetura moderna promovida pelo Ipesp ao longo do território paulista. Para tanto, baseia-se em pesquisa de campo (individual ou em grupo, virtual ou presencial) a exemplares selecionados nas diferentes localidades de residência dos participantes do evento.  Parte da consulta a bases de dados (informações gerais, projetos e levantamentos fotográficos) compreendendo 1400 edifícios distribuídos por todos os municípios paulistas, bem como da sistematização, apresentação e discussão dos resultados obtidos segundo critérios relativos à relação do edifício com a cidade e à construção do espaço edificado.

Produto esperado: dossiê com fichas e mapas sobre edifícios modernos produzidos pelo Ipesp em diferentes municípios e regiões do estado de São Paulo, a serem divulgados no website do Núcleo Docomomo São Paulo.

Local: Oficina realizada virtualmente, tendo por objeto diferentes localidades paulistas, a serem visitadas física ou virtualmente.

Requisitos: Computador com acesso à internet, webcam, Google Earth, Google Maps, PowerPoint).

Número de participantes: 25

Organização: André Augusto de Almeida Alves, Helio Hirao, João Vitor Ricciardi Sordi.

SÃO PAULO

14/11/2020 (sábado): 18h00-21h00:

“Fanzine: narrativas visuais em Arquitetura Moderna.”

Público esperado: Alunos de graduação e de pós-graduação em arquitetura e urbanismo, público em geral, com interesse na arquitetura moderna paulista. 

Objetivo: Esta oficina tem por interesse produzir um material gráfico (fanzine) que traga imagens e colagens do patrimônio moderno paulista, junto de textos que podem ser prosas, críticas, "letrismo" ou mesmo lettering e que manifestem sensações, protestos ou sentimentos diante dos edifícios eleitos para compor o material. Apesar de certas obras já estarem selecionadas pelos Organizadores para estudo, propõe-se que os participantes possam escolher outras mais que pertençam ao movimento moderno e que tenham interesse em explorar durante a atividade. 

 

Metodologia: Através de uma apresentação feita pelos Organizadores de colagens de diversos arquitetos modernos e/ou obras modernas selecionadas, pretende-se criar uma explicação de produção de colagens e montagem de fanzines. Após isso, propõe-se uma conversa a respeito de projetos que os participantes achem relevantes para o fanzine onde será proposto um mapeamento ao final com os edifícios (ou projetos) escolhidos. 

Produto esperado: Um fanzine em formato digital sobre arquitetura moderna, com manifestações e intervenções dos participantes, que será publicado no site do Docomomo Núcleo SP. 

Local: São Paulo/SP ou estado. 

Requisitos: Computador com acesso à  internet, Photoshop Adobe instalado (ou similares, como Illustrator Adobe ou Corel Draw), Google Earth, Google Maps. 

Número de participantes: 25. 

Organização: Ana C. Buim, Cristina Melo e Jessica Nemeti. 

NÚCLEO DOCOMOMO SÃO PAULO

Universidade São Judas Tadeu

Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Rua Taquari, 546 - Mooca | São Paulo - SP | CEP 03166-000

www.nucleodocomomosp.com.br | nucleo.docomomo.sp@gmail.com

REDES SOCIAIS

  • Instagram
  • Facebook
  • Google +

RECEBA OS DOCOMEMOS

© 2019 by Núcleo Docomomo SP

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now